Para brasileiros, mulheres são vítimas de violência sexual por não se comportarem direito

(foto: reprodução)

Em pleno século XXI, frases como “Se as mulheres soubessem se comportar haveria menos estupros”; “Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas” ou “Em briga de marido e mulher não se mete a colher” são parcial ou totalmente aceitas pela maioria dos brasileiros. A conclusão, divulgada na última quinta-feira (27), faz parte de uma pesquisa sobre tolerância social à violência contra mulheres realizada com 3.810 pessoas pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Segundo o estudo, pelo menos um terço dos brasileiros aceita ideias como a de que a mulher casada deve satisfazer o marido sexualmente, mesmo sem vontade, ou que casos de violência dentro de casa devem ser discutidos somente entre os integrantes da família.

No discurso, o brasileiro tende a condenar veementemente a violência, física ou psicológica, mas ainda tem dificuldades em dissociar essa violência de um conjunto de normas socialmente aceitas. Essa dificuldade se revela sobretudo quando o tema é a violência sexual. De acordo com os pesquisadores, a diferença de postura de tolerância ou intolerância à violência doméstica e à violência sexual reafirma a dificuldade de se estabelecer uma agenda de direitos sexuais no Brasil.

Ainda segundo o estudo, a culpabilização da mulher pela violência sexual fica evidente quando, por exemplo, 58% dos entrevistados dizem concordar “totalmente” com a afirmação de que ela só é vítima de agressão sexual por não se comportar de maneira adequada.

Fonte: Agencia Pulsar

Anúncios

Sobre Rede Fulanas - Negras da Amazônia Brasileira

FULANAS é uma Rede de Mulheres Negras da Amazônia pensada para diminuir a distância geográfica, dar voz as mulheres a partir de onde estão. Em sua Cabaça cabe assuntos que afetam as mulheres negras no seu cotidiano, como, por exemplo, as formas de racismo, situação de pobreza, a violência; impactos ambientais: os assuntos da ordem do dia, como: os direitos humanos; a economia, o trabalho doméstico, o acesso ao poder; os afetos como a solidariedade racial, o cuidado, a autoestima e cumplicidade das mulheres negras. Nossas ações são voltadas por uma Amazônia sustentável e democrática, pela ampliação e concretização dos direitos humanos, econômicos, sociais, culturais e ambientais (DHESCAS) de quem nela Habita.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s